Cogumelos Alucinógenos: Uma história de Natal

Qual a semelhança entre o Papai Noel, o Super Mario Bros e a Alice no País das Maravilhas?

ImagemA Amanita muscaria é um cogumelo da família Amanitacea, do gênero Amanita. Originalmente oriundas do hemisfério norte, onde são encontradas em florestas de clima temperado e boreal, hoje em dia já são encontradas em países do hemisfério sul, normalmente cultivadas em conjunto com pinheiros. Sua morfologia é característica: são pequenos (entre 5 e 20 centímetros de altura), com um estipe (caule) branco e píleo (chapéu) avermelhado com pequenas marcas brancas ou amarelas.

São fungos tóxicos, havendo casos de mortes causadas pela ingestão de aproximadamente 15 píleos, sendo que em algumas culturas, a Amanita sp. é utilizada como alimento após processo de fervimento. Sua toxicidade é associada a seu potente efeito alucinogênico.

As principais substâncias alucinógenas presentes nessa espécie são o muscimol e o ácido ibotênico. Dentre os principais efeitos alucinogênicos destacam-se: alucinações sinestésicas (mistura de sensações perceptivas – por exemplo: ouvir uma cor ou ver um gosto) e alucinações visuais como micropsia e macropsia (objetos ao redor se tornar menores ou maiores, respectivamente).

ImagemNo jogo Super Mario Bros, o Super Mushroom é o mais conhecido de todos: vermelho com bolinhas brancas, que, em geral, faz quem pegá-lo dobrar de tamanho. Pode ser encontrado em blocos “?” e até “Brick Blocks”. Já em jogos da série Mario Kart, o Super Mushroom faz o jogador ganhar um turbo instantâneo.

Nas ilustrações do livro Alice no País das Maravilhas, de Lewis Carrol, Alice aparece em determinado momento, conversando com uma lagarta que está estendida sobre o chapéu de um Amanita muscaria enquanto fuma um narguilé, em visível insinuação psicodélica. Neste momento, Alice conta à lagarta sobre sua crise de identidade relacionada com as mudanças de seu tamanho. A lagarta então revela que a ingestão de um dos lados do cogumelo a faz crescer, enquanto que a ingestão do outro lado a faz diminuir. Alice experimenta os dois lados do cogumelo e sofre primeiro uma diminuição e depois um aumento de seu tamanho.

Imagem

Tanto no Super Mario Bros quanto no livro Alice no País das Maravilhas podemos observar alusões claras aos efeitos de macropsia e micropsia da Amanita sp. Mas e o Papai Noel, o que ele tem a ver com isso tudo?

Culturalmente, a Amanita sp. foi utilizada num contexto religioso e medicinal por xamãs que viviam na região da Sibéria, no entanto, pessoas comuns também faziam uso num contexto recreativo. Há também relatos do uso de Amanita sp. por outros povos como os Lapões e os Vikings.

Em relação aos Vikings, apesar do escasso número de evidências e da maior parte dos argumentos serem baseados em teses de historiadores, a relação entre esse povo nórdico e a Amanita sp. é muito interessante. Segundo relatos, o uso desse cogumelo era feito em duas ocasiões: a primeira seria para aguentar os longos períodos sem Sol, no qual muitas pessoas acabavam desenvolvendo depressão e quadros graves de ansiedade (inclusive esse fenômeno perdura até hoje em países nórdicos). Sendo assim, os vikings consumiam a Amanita sp. para que, pelo menos, durante o estado de “embriaguez”, vivessem em “paraísos artificiais” melhores que sua realidade. O segundo motivo seria mais voltado para a guerra. Os vikings, antes de irem para batalha, ingeriam bebidas feitas a partir da Amanita sp. para que entrassem num estado de frenesi (berserk), tornando-os mais violentos e mais resistentes à dor, consequentemente, mais assustadores para seus inimigos.

No caso dos povos antigos da região da Sibéria, a época do natal que conhecemos marcava o solstício de inverno para eles, período no qual ocorriam os rituais de celebração de término de um ciclo e o início de um novo. A ingestão de cogumelos Amanita sp. era comum durante os rituais, por proporcionar o contato com o mundo espiritual devidos aos seus efeitos alucinogênicos.

ImagemÉ interessante mostrar que a origem siberiana do Papai Noel pode ter surgido nessa época, dentro dos rituais xamãnicos de uma tribo conhecida como o “Povo das renas”. Para os povos siberianos, as renas eram consideradas importante fonte de alimento, vestimenta e até sagradas por algumas tribos. Durante o transe induzido pelo consumo da Amanita sp., os xamãs relatavam ter a visão de espíritos voando em trenós de renas.

A lenda conta que ao se alimentarem de renas que haviam ingerido Amanita sp., alguns caçadores tiveram uma visão coletiva de um homem vestido de vermelho e branco (cor do cogumelo), voando em um trenó de renas. Portanto, a lenda do Papai Noel teria surgido a partir de uma visão coletiva de homens que consumiram Amanita sp.

O impacto do uso desses cogumelos sobre a evolução do ser humano ainda não pode ser quantificado, mas podemos observar que a busca por estados alterados de consciência sempre fez parte da vida do ser humano e que o resultado desse processo, pode ser visto sob diversos ângulos dentro de nossa própria cultura.

Esse texto é uma colaboração dos autores João Victor Pildervasser e Vanessa Favaro

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s