Quem somos!

    André Bedendo:

Formado em Psicologia pela Universidade Federal de Juiz de Fora, é  mestre e doutorando pelo Departamento Psicobiologia da UNIFESP. Descobriu durante a graduação grande paixão pela neurociência. Atualmente trabalha com estudos epidemiológicos do uso de drogas, mas como todo bom ansioso, tem na cabeça milhões de ideias e desejos a concretizar nessa longa vida acadêmica (pena que nem sempre eles vêm à tona de maneira clara).

Mineiro, particularmente apaixonado por música, não abandona por nada sua guitarra e violão (principalmente se vierem acompanhados de bons amigos e uma bela conversa). No futebol tem grande carinho pelo Glorioso do Rio de Janeiro, sempre despertando muitas emoções (sim, mineiro e torcedor do Botafogo Futebol e Regatas). Sempre curioso e sedento por aprender, busca nas oportunidades algo que valha (sempre existe algo), descobrindo com o tempo que nem sempre ouvir é escutar e ver é enxergar.

.

Bruno de Brito Antonio:

Biomédico formado pela Universiade Federal de São Paulo, atualmente doutorando em Psicobiologia pela mesma universidade. Seu interesse em ciências começou cedo, sempre querendo saber como as coisas funcionavam. Isso o levou a ter um hábito que possui até hoje: desmontar as coisas, de canetas a laptops (não quer dizer que consegue montá-las novamente). O interesse em neurociências veio pouco tempo depois, quando quis saber como o cérebro funcionava e como ele controlava todo o restante do corpo. Entrou na vida acadêmica para ajudar a resolver esse mistério. Trabalha buscando as bases neurais moleculares da memória e aprendizagem.

Piadista de plantão, gosta muito de filosofia e queria entender sobre física teórica. Preguiçoso de nascença, jura que ainda volta a praticar triathlon. Fã do bom e velho Rock’n’Roll (Floyd, Zeppelin, Who, Hendrix, Zappa), se espanta quando as pessoas acreditam que Axé, Sertanejo Universitário e Funk Carioca é música. Gosta de jogar poker com os amigos, sempre na companhia de um bom vinho ou de um vodka trincando. Por vezes acha que somos só um punhado de atómos, regulado por inúmeras faíscas elétricas.


IMG_1399  
João Victor Pildervasser:

Biomédico formado pela UFF e mestre em Psicobiologia pela UNIFESP. Atualmente é editor associado da área de Ciências da Vida na Springer-SBM. Nascido em Petrópolis- RJ, achou que as respostas para suas perguntas estariam na cidade grande por isso arrumou as malas e foi para São Paulo. Interessado em tudo de estranho e interessante relacionado ao comportamento humano e do mundo.

Gostaria de ser um biomédico/psicólogo/economista/programador/filósofo (a lista não para de aumentar), mas mal consegue dar conta de cuidar das plantas que tem em casa. Apaixonado pelo Glorioso Botafogo e pelo futebol bem jogado (nem sempre suas duas paixões aparecem juntas, infelizmente) vive um amor platônico com a matemática e espera um dia ser correspondido. 

.

     Karina Possa Abrahão:

Com muito orgulho, é Paulista, São Paulina e Biomédica formada pela Universidade Federal de São Paulo. Na mesma universidade obteve seus títulos de mestre e doutora pelo Departamento de Psicobiologia. Também estudou um ano na Wake Forest University, EUA. Em 2012, foi fazer um postdoc na USP no Dep. de Famacologia. Tudo isso para entender as adaptações comportamentais e neuronais associadas à exposição crônica às drogas de abuso. Atualmente, continua neste objetivo como post-doc no National Institute of Healthy (NIH) nos EUA, aonde está desafiando os horizontes da eletrofisiologia e optogenética.

Tem uma paixão incansável por ciência, tecnologia e viagens. Versatilidade, alegria e muita cervejinha acompanham-na em todos os lugares que visita. Não sabe viver sozinha, tem uma necessidade fisiológica de amizade. Ela não trabalha com ciência. Ela vive ciência, afinal de contas, como diria Confúcio: “Escolhe um trabalho de que gostes, e não terás que trabalhar nem um dia na tua vida.”.

.

     Marcus Vinicius Alves:

Psicólogo soteropolitano formado pela UFBA, mestre e doutorando em Psicobiologia pela Unifesp/EPM. Estuda o esquecimento, a consolidação das memórias, o esforço cognitivo e os tipos de processamentos mentais, além da cognição social. Humanista Secular aficionado por todo o tipo de literatura. A todo o momento em busca de novas pesquisas para participar, livros para ler e bandas para montar com os amigos (mas nunca ensaiar).

Um eterno saudoso pela cidade de São Salvador, torcedor do Esporte Clube Bahia (BORA BAHÊA!!). Fã incondicional de música, seja rock, blues, samba, inclusive há anos atrás já compôs e gravou alguma coisa, mas hoje em dia anda parado. Não perde um carnaval, pois é fã de cerveja também. Demorou horas para escrever essa descrição porque não conseguia se decidir sobre o que realmente é, pois como todo mundo, é apenas hipótese. Acredita que se não existe amor em SP, ao menos poderia ter uma boa farinha. Escreve também no blog de Psicologia Cogpsi (Clique para ver).

.

van     Vanessa Manchim Favaro:

Nascida em uma pequena cidade do interior paulista, desde cedo olhava para as estrelas buscando significado para questões existenciais. Fascinada por ciência, mais tarde formou-se em Biologia pela Universidade Federal de São Paulo. Atualmente é Mestre e Doutoranda no Departamento de Psicobiologia da mesma Universidade. Trabalha com técnicas neuroquímicas e comportamentais aplicadas ao estudo da neurobiologia da memória em modelos experimentais. 

Observadora por natureza, sempre se interessou por temas em neurociências e comportamento. Mesmo assim, flerta com a astronomia toda vez que a encontra. É apaixonada por cinema e esportes e em especial o basquete, que há muito tempo deixou de fazer parte da sua vida e deixa saudades. Não vive sem pizza, chocolate e seus seriados favoritos. Sua filosofia de vida é a de que assim como os neurônios, nosso papel primordial é transmitir informação.