As sete maiores descobertas científicas de 2014

sem-tc3adtuloOlha quem chegou: o ano novo! Os doces foram jogados fora, a mensalidade da academia atrasada há meses foi paga, as gordurinhas acumuladas estão prontas para serem queimadas e as promessas feitas no Reveillon estão sendo cumpridas. Bom, pelo menos até Março né?

Nesse clima de falta de vontade de voltar ao trabalho e cuidando das queimaduras de sol, eu tive um momento Fátima Bernardes e me perguntei: da onde surgem as tradições? Pensando nisso resolvi dar prosseguimento e institucionalizar a primeira tradição do Prisma Científico: todo começo de ano faremos um retrospecto do que aconteceu de melhor na ciência no ano que se passou. Se você não conferiu as maiores descobertas científicas de 2013, clique aqui e veja os avanços daquele ano. Pois bem amigos, vamos as 7 maiores descobertas/avanços científicos de 2014! Continuar lendo

Anúncios

A Ciência subjuga os mitos

O Reino da Ciência (The Reign of Science 5), por Karl Konrad Huber

O Reino da Ciência (The Reign of Science 5), por Karl Konrad Huber

O ser humano tem uma necessidade quase que fisiológica de explicar as coisas: explicar de onde veio, para que serve, para onde vai, explicar a natureza e os astros etc. Alguns pensadores acreditam que o ser humano é diferente dos outros animais por ter uma capacidade única de perceber padrões. Tentamos sempre achar uma explicação para esses padrões a fim de entendermos como funciona o mundo ao nosso redor e também como nós mesmos funcionamos.

Uma maneira de explicar os padrões é através de idealizações místicas e isso acontece principalmente quando não temos acessibilidade a instrumentos para testar se as nossas explicações são coerentes para determinado fenômeno. A outra maneira é através da Ciência. A Ciência, diferente das explicações místicas, testa metodicamente suas possíveis explicações dos padrões. As explicações que reproduzem o padrão natural são aceitas, as que não, são descartadas. Portanto, a Ciência cria leis após testar as hipóteses e não se baseia em dogmas imutáveis.

Para entender isso vou relatar resumidamente uma história muito interessante da física astronômica que conta com a participação de alguns nomes bem conhecidos: o idealista Edmond Halley, o furtivo Robert Hooke e o vingativo Isaac Newton. Continuar lendo