A morte e os profissionais da saúde

Cena do filme

Cena do filme “O Sétimo Selo”, de Ingmar Bergman

Rituais fúnebres sempre estiveram presentes em diversas culturas e a medida que cada sociedade apresentava aspectos culturais que promoviam disparidade entre tais rituais, estes eram indicativos de um espectro geral das crenças do grupo. Tais crenças seriam representativas de toda a esfera de concepções dessa cultura quando expandida. À sua maneira, cada cultura escrevia a história da relação do ser humano com a morte e assim criava uma estratégia a mais de enfrentamento. Sendo assim, para falar sobre a morte é preciso antes pensar na vida. Continuar lendo

Anúncios

Você é o que você escuta?!

MainZ17472Do toque do tambor aborígene até os acordes mais pesados de guitarras do rock, um fato indiscutível é a força que a música tem para expressão dos indivíduos na sociedade. A expressão musical é reconhecidamente uma das formas mais comuns utilizadas pelas pessoas e grupos em qualquer lugar do mundo e com as mais diferentes culturas. Para os jovens, essa intensidade se torna ainda mais visível, o estilo musical serve como uma insígnia que a priori revelaria para outrem em qual grupo social este jovem estaria incluso e qual o estilo de vida que ele possui. As palavras cantadas displicentemente no meio da rua, a camisa preta de sua banda favorita ou mesmo o adesivo de um bloco de carnaval colado na traseira do carro seriam instrumentos cruciais para a identificação grupal.

Continuar lendo

O legado dos memes

O termo “meme” foi popularizado no livro ‘O Gene Egoísta’ de Richard Dawkins publicado em 1976. Este livro ampliou a visão de que a seleção natural se procede não no interesse das espécies ou do grupo, nem mesmo do indivíduo, mas no interesse dos genes. No final do livro, Dawkins sugere que o Darwinismo é uma teoria muito grande para ser confinada no restrito contexto do gene e apresenta o conceito do meme.

Os memes representam tudo aquilo que é armazenado nosso no cérebro e transmitido por imitação. Logo, os memes podem representar músicas, ideias, estilos de moda, culinária, linguagem, mitos e até comportamentos.

A linguagem, por exemplo, constitui um meme, pois parece evoluir por meios não genéticos a uma velocidade superior a da evolução genética. Evolutivamente, a linguagem tornou a comunicação entre os indivíduos pré-históricos mais efetiva em momentos críticos, uma vez que quando comparada com a comunicação por gestos, a linguagem apresentava a vantagem de não necessitar do contato visual entre os indivíduos. Dessa forma, a linguagem foi passada por imitação rapidamente de geração para geração ao longo dos tempos.

Continuar lendo

O poder de um sorriso!

Dizem que quando você beija alguém na boca movimenta diversos músculos faciais, mas existe um outro uso desses músculos que pode disparar efeitos psicológicos mais fortes em outras pessoas: sorrir. O sorriso é uma das feições que não me parece ser afetado pela cultura. Eu não conheço um relato de uma região no mundo na qual seja proibido sorrir ou que um sorriso represente qualquer outra coisa que não satisfação, alegria e felicidade. Da Terra del Fuego aos esquimós do extremo norte, “um sorriso vale mais do que mil palavras” e, por isso mesmo, não preciso descrevê-lo.

Digitei a palavra “smile” (sorriso em inglês) em uma das bases de dados mais frequentadas pelos cientistas de todo o mundo (pubmed.com) e descobri que o artigo mais antigo que trata desse assunto, registrado nessa base, é intitulado: The Nature of the Smile and Laugh de autoria de George V. N. Dearborn da Harvard University, publicado na revista Science (uma das revistas mais prestigiadas na área científica) em 1o de junho de 1900. Continuar lendo