Os Corvos e a sua Guerra dos Tronos

Antes de tudo, leitor, clique aqui e deixe a música criar o clima para o texto.

Corvos são animais que para a mitologia e literatura se encontram em um espaço limítrofe entre o mundo espiritual e o mundo real, das religiões pagãs até “O Corvo” de Allan Poe, eles são vistos em geral como detentores do conhecimento místico da morte e, em algumas culturas,  como seres que carregam consigo os maus presságios pelo seu hábito necrófago e a sua cor negra. No seriado Game of Thrones (inspirado na série de livros “As Crônicas de Gelo e Fogo”) a imagem do corvo surge em alguns momentos com a sua habitual ligação mística (“o corvo de três olhos”) e em outros como o grupo de “soldados” servindo para sempre na solidão da muralha, protegendo o continente, um exército formado pela escória do mundo… E esse cara:

Sem título

Continuar lendo

Anúncios

Por que os modelos computacionais não podem substituir os modelos animais?

A resposta mais apropriada é porque um depende do outro!

Em meio a tantas discussões sobre o uso de animais pela Ciência (vale ler os posts anteriores do Prisma:Ética na experimentação animal (parte 1)”, “Ética em Experimentação Animal (Parte 2) – os 3 Rs” e  “Snoopy e a experimentação animal”), um dos argumentos levantados é a alternativa de se utilizar outros métodos como, por exemplo, as simulações computacionais. Minha vontade em escrever esse post surgiu de uma preocupação com a desinformação que existe a respeito dos métodos alternativos. Sinto-me na obrigação de trazer os fatos àqueles que acreditam nessa alternativa salvadora para todas as questões da Ciência e, salvadora também, para os animais utilizados nos laboratórios de pesquisa. De forma alguma quero impôr minha opinião mas sim, abrir um canal de argumentação lógica e cientificamente embasada sobre a questão do uso de animais na Ciência. Continuar lendo

Um artigo científico em sua boca

Você já passou dias com uma sensação estranha na boca, uma coceira não dolorida, que trocava de local várias vezes por dia? Jonathan Allen já.

E essa coceira, que se assemelhava a quando você morde uma batata frita e a ponta machuca o céu de sua boca, deixava um rastro em sua boca, como o de uma serpente na areia? Na de Jonathan Allen sim.

Você já sentiu a sensação de alguma coisa movendo em sua boca e a cada vez que a sua língua desliza por ela, ela se move insistentemente na direção contrária? Hum… Aposto que demorou um pouco para responder essa, mas enfim, Jonathan Allen sentiu.

E quando você descobriu que ali poderia estar um organismo vivo, você imediatamente mandou um e-mail para os seus colaboradores para que todos pudessem estudar esse possível ser que flanava por suas bochechas? Bom, a resposta você já deve ter imaginado.

O que você vê nessa imagem?

Você vê um co-autor nessa imagem?

Continuar lendo

Álcool: dificuldade em parar, problema de memória à vista! (parte 3)

Alcoholism-addictionNos últimos dois posts sobre o álcool, droga de abuso lícita tão comumente usada por muitos e muitos milhões de pessoas, falei um pouco da epidemiologia e dos seus efeitos agudos (Álcool: consumir ou não, eis os seus efeitos), e também mencionei alguns dos fatores que fazem com que um indivíduo possa transitar do uso controlado de álcool para o exagerado (Álcool: se faz alegre, por que se preocupar?). Neste post gostaria de comentar um pouco das explicações científicas atuais (bem recentes meeeesmo!) para o fato de que um indivíduo, já em fase de dependência de álcool, tem grande dificuldade de se livrar do seu uso. Na minha opinião, e de outros cientistas, a dependência de drogas é um processo relacionado à formação de “memórias aberrantes” dos estímulos associados à droga (Torregrossa et al., 2011 – boa revisão!). Quê? Ficou difícil? Vamos explicar com calma! Continuar lendo

Ética em Experimentação Animal (Parte 2) – os 3 Rs

No fim da década de 50, o livro “Princípios das Técnicas Experimental Humanas” (Principles of Humane Experimental Technique, Russel e Burch, 1959) lançou a ideia dos 3Rs: Reduction, Replacement e Refinement (Redução, Reposição e Refinamento); para guiar uma utilização  mais parcimoniosa de animais na experimentação. Redução apresenta a ideia de usar sempre o menor número de animais possível para o objeto de investigação. Continuar lendo

Ética na experimentação animal (parte 1)

Neste semestre eu cursei a disciplina de ‘Ética em experimentação animal e humana’ aqui na Psicobiologia, UNIFESP. Ao mesmo tempo, coincidência ou consequência da disciplina, também  me vi dentro de algumas discussões com ativistas de Sociedades e Associações Protetoras dos Animais, em decorrência de alguns virais da internet resultantes de manifestações e atos desses movimentos contra grandes corporações farmacêuticas e cosméticas nos ultimos meses. Esse tema borbulhou em minha mente esse semestre e não pude deixar de escrever sobre isso.
Na análise da Ética na prática da experimentação animal, deve-se considerar, primeiro de tudo, o conjunto de fatores que levam à discussão ética. O que faz a ética necessária nesse caso? A discussão sobre ética e moral surge a partir do momento em que, existindo no mesmo meio social indivíduos com diferentes premissas (ou valores), justificam como certo ou direito diferentes comportamentos. Assim, quando 2 ou mais desses comportamentos (ou valores) são direta ou indiretamente conflitantes, surge a necessidade de uma “ética do dever” para que os conflitos da sociedade ainda permitam uma convivência harmônica. Continuar lendo