Sobre zumbis e estigma

Não é novidade na história da sociedade contemporânea que uma das abordagens mais utilizadas no “combate” às drogas é o medo. No início dos anos 70, o então presidente dos EUA, Richard Nixon cunhou um termo que se faz presente ainda hoje: A guerra contra as drogas.  Apesar dos exemplos de falhas, suas diretrizes relacionadas à regulamentação e controle das drogas ainda estão enraizadas na política brasileira e de muitos outros países.

Um local de forte interesse daqueles envolvidos nessa guerra é a propaganda. Através desse veículo a mensagem de um determinado grupo pode atingir milhares de pessoas em uma área muito abrangente. Se a propaganda for de boa qualidade, mais pessoas podem se interessar pelo produto que ela está oferecendo. Não é a toa que a propaganda é a alma do negócio! Continuar lendo

Anúncios

De onde vem sua opinião?

Quem já leu meus post Fatos e falácias sobre o crack percebeu uma crítica em relação à mídia, especificamente na forma pela qual ela utiliza as informações que transmite.

Somos atualmente cercados pela mídia em suas mais diversas formas. As mídias televisivas, de rádio, escrita e uma das principais atualmente, a internet. É inegável a utilidade e importância da mídia na vida cotidiana das pessoas. Há algumas décadas, informações do outro lado do mundo demoravam semanas para chegar ao Brasil. Atualmente, recebemos e interagimos com a informação de maneira praticamente instantânea.

Continuar lendo