A volta do Macaco Azul: Lutando contra a procrastinação!

0002 29_04_2013 Cada galho com seu macaco Tudo sobre nada

Já falamos de procrastinação em dois textos aqui no Prisma (clique aqui e aqui para ler), e neste último meu, havia prometido que voltaria a falar do assunto. Cumprirei a minha palavra hoje, um ano (e alguma coisa) depois…

No episódio anterior dessa nossa história, simbolizamos a procrastinação com a imagem do macaco azul de Aluízio Azevedo. Pois é, o macaco azul pode ser enganado. E uma das características dele é deixar-nos emocionalmente combalidos.

A maioria das pessoas quando em fase de escrita acabam por ficar irritadiços, desesperados e sem esperança. Pergunte para qualquer um que esteja nesta fase, mas pergunte de longe.
Continuar lendo

XV Curso de Verão em Psicobiologia – UNIFESP

Nota

logo_divulgaçãoO Curso de Verão em Psicobiologia é uma iniciativa dos pós-graduandos e docentes do Departamento de Psicobiologia da Universidade Federal de São Paulo – UNIFESP com o intuito de propiciar um espaço para divulgação e ampliação do conhecimento sobre a Ciência em Psicobiologia. 

Ao longo do Curso oferecemos aulas teóricas e práticas, palestras, discussões e outras atividades reflexivas. Alunos de todo o Brasil têm a oportunidade de entrar em contato com as pesquisas desenvolvidas dentro das mais diversas áreas acerca da Psicobiologia, possibilitando uma expansão do raciocínio científico.

Público Alvo: Estudantes de Graduação e recém-formados de todo o Brasil, principalmente das áreas Biológicas e da Saúde dispostos a enveredar no estudo das Neurociências.

Continuar lendo

A Ciência subjuga os mitos

O Reino da Ciência (The Reign of Science 5), por Karl Konrad Huber

O Reino da Ciência (The Reign of Science 5), por Karl Konrad Huber

O ser humano tem uma necessidade quase que fisiológica de explicar as coisas: explicar de onde veio, para que serve, para onde vai, explicar a natureza e os astros etc. Alguns pensadores acreditam que o ser humano é diferente dos outros animais por ter uma capacidade única de perceber padrões. Tentamos sempre achar uma explicação para esses padrões a fim de entendermos como funciona o mundo ao nosso redor e também como nós mesmos funcionamos.

Uma maneira de explicar os padrões é através de idealizações místicas e isso acontece principalmente quando não temos acessibilidade a instrumentos para testar se as nossas explicações são coerentes para determinado fenômeno. A outra maneira é através da Ciência. A Ciência, diferente das explicações místicas, testa metodicamente suas possíveis explicações dos padrões. As explicações que reproduzem o padrão natural são aceitas, as que não, são descartadas. Portanto, a Ciência cria leis após testar as hipóteses e não se baseia em dogmas imutáveis.

Para entender isso vou relatar resumidamente uma história muito interessante da física astronômica que conta com a participação de alguns nomes bem conhecidos: o idealista Edmond Halley, o furtivo Robert Hooke e o vingativo Isaac Newton. Continuar lendo

A matemática e física por trás da música

Isso mesmo, matemática, física e música estão muito mais próximas do que você talvez imagine.

O som emitido por instrumentos nada mais é que uma vibração que se propaga em forma de onda, e isto ocorre sempre através de um meio como a água ou o ar. Através do contato com o meio, criam-se diferenças de pressão que nos permitem ouvir os sons. Por esse exato motivo o som não se propaga no Espaço sideral.

As diferenças de pressão são causadas pela vibração da onda sonora, que oscila em diferentes frequências. Essas frequências são comumente medidas em Hertz (número de oscilações por segundo) e diferentes frequências definem o tom. Ou seja, variações na frequência modificam as notas que ouvimos (Dó Ré Mi Fá Sol Lá Si, inclusive quando estas são modificadas pelos acidentes musicais)[1].

Continuar lendo

Olhos Valirianos

Como bons apreciadores de Game of Thrones, vamos a mais um post do Prisma que tem relação com a série inspirada na coleção de livrosAs Crônicas de Gelo e Fogo”, escritas por George R.R. Martin.

Depois de falar sobre a  Khaleesi brasileira e os Corvos, chegou a hora dos famosos Olhos Valirianos, que representam uma das características físicas típicas dos representantes da Casa Targaryen, cuja família é originária da antiga Cidade de Valíria.

Viserys e Daenerys Targaryen

Viserys e Daenerys Targaryen

Este texto não contém SPOILER!! Vai fundo amigo(a)!! ;)

Continuar lendo

AIDS, DNA e uma história mal-contada

Certamente você ouviu sobre o abatimento de um avião que sobrevoava a Ucrânia, no mês passado. Um evento terrível, sem dúvidas, com perdas de inestimáveis vidas humanas. Além do acidente em si, o que também me chamou a atenção foi a enxurrada de manchetes, postagens em redes sociais, comentários na rua sobre os cientistas que estavam à bordo da aeronave. Vários sites noticiaram que havia mais de 100 cientistas/ativistas que se dirigiam à uma Conferência sobre AIDS na Austrália. A partir daí, surgiram algumas “teorias da conspiração”, que apontavam que os cientistas haviam descoberto a cura da AIDS e estavam indo ao evento para mostrá-la… e o avião fora abatido para que esta descoberta não se tornasse pública. Como já foi discutido aqui no blog, é importante sempre verificar as fontes antes de sair por aí divulgando fatos. Apenas seis passageiros foram identificados e confirmados como participantes do evento, como mostrado aqui. Vamos supor que, hipoteticamente, a cura da AIDS estivesse em posse de um destes convidados. A cura da AIDS estaria perdida para sempre!……….será? Continuar lendo

Um mar dentro de cada célula

marcação de citoesqueleto

marcação de citoesqueleto

Atualmente a ciência vem adquirindo um poder tecnológico que permite aos pesquisadores investigar detalhes muito específicos. O intrigante, pelo menos para mim, é que com tudo que já sabemos sobre o funcionamento do nosso organismo e de outros animais: fisiologia, bioquímica, genética, comportamento etc, ainda não entendemos com profundidade como a atriz principal, a célula, exerce suas funções nos nossos tecidos, órgãos e sistemas. Isso mostra como a ciência pode avançar em sistemas mais complexos (órgãos) mesmo sem o conhecimento finito dos níveis estruturais de menor escala (tecidos e células, por exemplo). Fica isso como pensamento científico/filosófico desse texto!

O que eu quero abordar aqui é a célula. Continuar lendo